A Adega

Na paisagem bela e incólume que é a planície alentejana de Campo Maior, Siza Vieira ergueu um edifício original, um volume horizontal, caiado a branco, dividido em dois pisos na sua maior extensão, e com um terceiro piso destinado a uso turístico e promoção dos vinhos da Adega Mayor.
A serenidade que emana deste volume simples, contrasta com a complexidade que alberga no seu interior, onde convivem espaços monumentais destinados à produção e ao armazenamento, e a abertura das zonas sociais, concebidas para a prova e fruição do vinho.
O rectângulo de 40×120 metros da adega assenta na cavidade existente e ergue-se em muros de nove metros de altura. No topo sudoeste da construção situa-se o acesso ao edifício. Siza reservou o último piso para a vertente mais social e pública do vinho. Aí foi criada a sala de provas que se abre para um terraço panorâmico com relvado e um espelho de água central encabeçado por um painel esculpido em mármore, desenhado também pelo arquitecto, onde as silhuetas de uma chávena de café, de um copo de vinho e de uma garrafa se sobrepõem.
Este terraço panorâmico permite observar a vinha e o olival da herdade bem como avistar Espanha e a Serra de Portalegre.